• Lives in Niterói
  • Country Brazil br
  • Male
  • Followed by 177 people
Recent Updates
  • Crise alimentar: ONU remove silenciosa e secretamente o artigo sobre "benefícios da fome mundial"!

    Mais e mais evidências estão surgindo provando que a escassez global de alimentos e a interrupção da cadeia de suprimentos estão sendo encenadas pelas Nações Unidas (ONU), o Fórum Econômico Mundial (WEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) para estabelecer uma nova ordem mundial e governo global.

    Pessoas famintas são as "mais produtivas"

    Um artigo de opinião publicado pela ONU em 2009, que desde então foi removido de seu site, elogiou a fome como a "base da prosperidade" e os meios de fortalecer a economia global.

    A fome deve ser sustentada para explorar a força de trabalho das pessoas, diz George Kent, professor de ciência política da Universidade do Havaí, autor do documento da ONU em 2021.

    "Muitas vezes falamos sobre a fome no mundo como se fosse um flagelo que todos gostaríamos de ver eliminado e considerá-lo semelhante à peste ou à AIDS. Essa visão ingênua, no entanto, nos impede de lidar com as causas e perpetuação da fome. A fome tem um grande valor positivo para muitas pessoas", observa Kent. "Na realidade, é fundamental para o funcionamento da economia global. Pessoas famintas são as pessoas mais produtivas, especialmente onde é necessário trabalhar com as mãos."

    Sem a "ameaça da fome", importantes empregos com baixos salários desapareceriam, haveria uma escassez de mão-de-obra e a economia global deixaria de existir, afirma Kent.

    "Nos países industrializados, muitas vezes vemos pessoas pobres do lado da rua, segurando placas que dizem que funcionarão para comida. Na verdade, a maioria das pessoas trabalha por comida. Especialmente, porque as pessoas precisam de comida para sobreviver, elas trabalham tanto produzindo comida para si mesmas ou vendendo seus serviços a outras pessoas por Dinheiro. Quantos de nós venderiam seus serviços se não fossem ameaçados pela fome?

    Mais importante, quantos de nós venderiam nossos serviços tão barato se não fôssemos ameaçados pela fome? Quando nos vendemos a baixo custo, enriquecemos os outros, ou seja, aqueles cujas fábricas, máquinas e terras pertencem a eles e, finalmente, as pessoas que trabalham para eles. Para aqueles que dependem da disponibilidade de mão de obra barata, a fome é a base da riqueza."

    Pseudo-crítica Comunista ao capitalismo

    De acordo com a ONU, suposições que ligam pobreza e empregos mal pagos à fome são "bobagens" porque as pessoas, privadas de comida, têm um incentivo mais poderoso para trabalhar.

    "Quem teria construído enormes usinas de produção de biocombustíveis no Brasil se não soubesse que existem milhares de pessoas famintas desesperadas o suficiente para aceitar os terríveis empregos que ofereceriam?"afirma Kent. "Quem construiria qualquer tipo de fábrica quando não soubesse que haveria muitas pessoas disponíveis para aceitar os empregos com baixos salários? Grande parte da literatura sobre fome fala sobre como é importante garantir que as pessoas sejam bem alimentadas para que possam ser mais produtivas. Isto é um disparate. Ninguém trabalha mais do que pessoas famintas. Sim, pessoas bem alimentadas têm uma maior capacidade de atividade física produtiva, mas pessoas bem alimentadas estão muito menos dispostas a fazer esse trabalho."

    "Escravos da fome" são "postos ativos" para "pessoas na extremidade superior da escala", conclui Kent, presumivelmente com a intenção de fazer uma conexão com as críticas do capitalismo marxista, declarando a fome um meio de exploração e aumento da produtividade:

    "A ONG Free the Slaves define escravos como pessoas, que não têm permissão para deixar seu trabalho. Estima-se que existam 27 milhões de escravos em todo o mundo, incluindo aqueles que estão literalmente trancados em locais de trabalho e mantidos como servos da dívida no sul da Ásia. No entanto, isso não inclui aqueles que poderiam ser chamados de escravos da fome, ou seja, aqueles que têm permissão para deixar seu trabalho, mas que não têm nada melhor para fazer. Talvez a maioria das pessoas que trabalham sejam escravas da fome?

    Para aqueles de nós no topo da escada social, o fim da fome no mundo seria uma catástrofe. Se não houvesse fome no mundo, quem lavraria os campos? Quem colheria nossos vegetais? Quem trabalharia nos matadouros? Quem limparia nossos banheiros? Nós teríamos que produzir nossa própria comida e limpar nossos próprios banheiros. Não admira que as pessoas nos níveis mais altos não tenham pressa em resolver o problema da fome. Para muitos de nós, a fome não é um problema, mas um benefício."
    Crise alimentar: ONU remove silenciosa e secretamente o artigo sobre "benefícios da fome mundial"! Mais e mais evidências estão surgindo provando que a escassez global de alimentos e a interrupção da cadeia de suprimentos estão sendo encenadas pelas Nações Unidas (ONU), o Fórum Econômico Mundial (WEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) para estabelecer uma nova ordem mundial e governo global. Pessoas famintas são as "mais produtivas" Um artigo de opinião publicado pela ONU em 2009, que desde então foi removido de seu site, elogiou a fome como a "base da prosperidade" e os meios de fortalecer a economia global. A fome deve ser sustentada para explorar a força de trabalho das pessoas, diz George Kent, professor de ciência política da Universidade do Havaí, autor do documento da ONU em 2021. "Muitas vezes falamos sobre a fome no mundo como se fosse um flagelo que todos gostaríamos de ver eliminado e considerá-lo semelhante à peste ou à AIDS. Essa visão ingênua, no entanto, nos impede de lidar com as causas e perpetuação da fome. A fome tem um grande valor positivo para muitas pessoas", observa Kent. "Na realidade, é fundamental para o funcionamento da economia global. Pessoas famintas são as pessoas mais produtivas, especialmente onde é necessário trabalhar com as mãos." Sem a "ameaça da fome", importantes empregos com baixos salários desapareceriam, haveria uma escassez de mão-de-obra e a economia global deixaria de existir, afirma Kent. "Nos países industrializados, muitas vezes vemos pessoas pobres do lado da rua, segurando placas que dizem que funcionarão para comida. Na verdade, a maioria das pessoas trabalha por comida. Especialmente, porque as pessoas precisam de comida para sobreviver, elas trabalham tanto produzindo comida para si mesmas ou vendendo seus serviços a outras pessoas por Dinheiro. Quantos de nós venderiam seus serviços se não fossem ameaçados pela fome? Mais importante, quantos de nós venderiam nossos serviços tão barato se não fôssemos ameaçados pela fome? Quando nos vendemos a baixo custo, enriquecemos os outros, ou seja, aqueles cujas fábricas, máquinas e terras pertencem a eles e, finalmente, as pessoas que trabalham para eles. Para aqueles que dependem da disponibilidade de mão de obra barata, a fome é a base da riqueza." Pseudo-crítica Comunista ao capitalismo De acordo com a ONU, suposições que ligam pobreza e empregos mal pagos à fome são "bobagens" porque as pessoas, privadas de comida, têm um incentivo mais poderoso para trabalhar. "Quem teria construído enormes usinas de produção de biocombustíveis no Brasil se não soubesse que existem milhares de pessoas famintas desesperadas o suficiente para aceitar os terríveis empregos que ofereceriam?"afirma Kent. "Quem construiria qualquer tipo de fábrica quando não soubesse que haveria muitas pessoas disponíveis para aceitar os empregos com baixos salários? Grande parte da literatura sobre fome fala sobre como é importante garantir que as pessoas sejam bem alimentadas para que possam ser mais produtivas. Isto é um disparate. Ninguém trabalha mais do que pessoas famintas. Sim, pessoas bem alimentadas têm uma maior capacidade de atividade física produtiva, mas pessoas bem alimentadas estão muito menos dispostas a fazer esse trabalho." "Escravos da fome" são "postos ativos" para "pessoas na extremidade superior da escala", conclui Kent, presumivelmente com a intenção de fazer uma conexão com as críticas do capitalismo marxista, declarando a fome um meio de exploração e aumento da produtividade: "A ONG Free the Slaves define escravos como pessoas, que não têm permissão para deixar seu trabalho. Estima-se que existam 27 milhões de escravos em todo o mundo, incluindo aqueles que estão literalmente trancados em locais de trabalho e mantidos como servos da dívida no sul da Ásia. No entanto, isso não inclui aqueles que poderiam ser chamados de escravos da fome, ou seja, aqueles que têm permissão para deixar seu trabalho, mas que não têm nada melhor para fazer. Talvez a maioria das pessoas que trabalham sejam escravas da fome? Para aqueles de nós no topo da escada social, o fim da fome no mundo seria uma catástrofe. Se não houvesse fome no mundo, quem lavraria os campos? Quem colheria nossos vegetais? Quem trabalharia nos matadouros? Quem limparia nossos banheiros? Nós teríamos que produzir nossa própria comida e limpar nossos próprios banheiros. Não admira que as pessoas nos níveis mais altos não tenham pressa em resolver o problema da fome. Para muitos de nós, a fome não é um problema, mas um benefício."
    35
    0 Comments 0 Shares
  • 32
    33
    0 Comments 0 Shares
  • 11
    11
    0 Comments 0 Shares
  • https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/07/30/variante-delta-covid-19-cdc-eua.amp.html
    https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/07/30/variante-delta-covid-19-cdc-eua.amp.html
    WWW.UOL.COM.BR
    EUA: Vacinados espalham variante delta tanto quanto quem não está imunizado
    Um documento do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos, obtido pelo jornal The Washington Post, afirma que pessoas vacinadas contra a covid-19
    9
    0 Comments 0 Shares
More Stories