• Lives in Rio
  • Country Brazil br
  • Other
  • Followed by 58 people
Recent Updates
  • 19
    0 Comments 0 Shares
  • 19
    0 Comments 0 Shares
  • 9
    0 Comments 0 Shares
  • Muita gente não vai dormir hoje. Olha o tuíte do Min. da Defesa 馃憖馃挭
    Muita gente não vai dormir hoje. Olha o tuíte do Min. da Defesa 馃憖馃挭
    9
    0 Comments 0 Shares
  • Conakry, Guiné - Soldados amotinados na Guiné, nação da África Ocidental, detiveram o presidente Alpha Conde no domingo, depois que horas de tiros pesados 鈥嬧媠oaram perto do palácio presidencial na capital, anunciando na televisão estatal que o governo havia sido dissolvido em um aparente golpe de Estado. As fronteiras do país foram fechadas e sua constituição foi declarada inválida no anúncio lido em voz alta na televisão estatal pelo coronel do exército Mamadi Doumbouya, que disse aos guineenses: “O dever de um soldado é salvar o país”.

    "Não vamos mais confiar a política a um homem. Vamos confiá-la ao povo", disse Doumbouya, envolto em uma bandeira guineense com cerca de meia dúzia de outros soldados flanqueando ao seu lado.

    Não se soube imediatamente, porém, quanto apoio Doumbouya tinha dentro das forças armadas ou se outros soldados leais ao presidente por mais de uma década poderiam tentar retomar o controle. A junta mais tarde anunciou planos para substituir os governadores da Guiné por comandantes regionais em um evento segunda-feira e advertiu: "Qualquer recusa em comparecer será considerada rebelião" contra os novos líderes militares do país.

    O bloco regional da África Ocidental conhecido como CEDEAO rapidamente condenou os acontecimentos, ameaçando com sanções se Conde não fosse imediatamente libertado. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, tuitou que condenou veementemente "qualquer tomada do governo pela força de armas".

    O Departamento de Estado dos EUA alertou contra a violência e instou as autoridades na Guiné a evitar ações "extra-constitucionais" que "só irão corroer as perspectivas de paz, estabilidade e prosperidade da Guiné". O porta-voz Ned Price acrescentou em um comunicado que as "ações da junta podem limitar a capacidade dos Estados Unidos e de outros parceiros internacionais da Guiné de apoiar o país".

    O paradeiro de Conde era desconhecido por horas após os intensos combates de domingo no centro de Conakry, até que um vídeo apareceu mostrando o líder de 83 anos cansado e desgrenhado sob custódia militar. Posteriormente, a junta divulgou um comunicado dizendo que Conde estava em contato com seus médicos. Mas eles não deram nenhum prazo para liberá-lo, a não ser para dizer: "Tudo ficará bem. Quando chegar a hora, faremos uma declaração."

    Conde, no poder por mais de uma década, viu sua popularidade despencar desde que ele tentou um terceiro mandato no ano passado, dizendo que os limites de mandato não se aplicavam a ele. Os acontecimentos dramáticos de domingo ressaltaram como a dissidência também havia crescido dentro dos militares.

    Doumbouya, que fora comandante da unidade de forças especiais do exército, pediu a outros soldados "que se coloquem ao lado do povo" e permaneçam em seus quartéis. O coronel do Exército disse que estava agindo no melhor interesse da nação, citando a falta de progresso econômico dos líderes desde que o país se tornou independente da França em 1958.

    “Se você vê o estado de nossas estradas, se você vê o estado de nossos hospitais, você percebe que depois de 72 anos, é hora de acordar”, disse ele. "Temos que acordar."

    Observadores, no entanto, dizem que as tensões entre o presidente da Guiné e o coronel do exército resultaram de uma recente proposta de corte de alguns salários militares.

    Na manhã de domingo, um tiroteio pesado estourou perto do palácio presidencial e durou horas, gerando temores em um país que já viu vários golpes e tentativas de assassinato presidencial. O Ministério da Defesa inicialmente alegou que o ataque havia sido repelido pelas forças de segurança, mas a incerteza aumentou quando não houve nenhum sinal posterior do Conde na televisão ou rádio estatal.

    Os desenvolvimentos que se seguiram refletiram de perto outros golpes de estado militares na África Ocidental: O coronel do exército e seus colegas tomaram o controle das ondas aéreas, professando seu compromisso com os valores democráticos e anunciando seu nome: Comitê Nacional para Rally e Desenvolvimento.

    Foi um revés dramático para a Guiné, onde muitos esperavam que o país tivesse virado a página sobre a tomada de poder militar.

    A vitória de Conde nas eleições de 2010 - o primeiro voto democrático do país - era para ser um novo começo para um país que estava atolado por décadas de governo corrupto e autoritário e turbulência política. Nos anos que se seguiram, no entanto, os oponentes disseram que Conde também não conseguiu melhorar a vida dos guineenses, a maioria dos quais vive na pobreza, apesar das vastas riquezas minerais do país de bauxita e ouro. No ano após sua primeira eleição, ele sobreviveu por pouco a uma tentativa de assassinato após pistoleiros cercou sua casa durante a noite e bombardeou seu quarto com foguetes. Granadas propelidas por foguetes caíram dentro do complexo e um de seus guarda-costas foi morto.

    Manifestações de rua violentas estouraram no ano passado depois que o Conde organizou um referendo para modificar a constituição. A agitação se intensificou depois que ele ganhou as eleições de outubro, e a oposição disse que dezenas de pessoas morreram durante a crise.

    No vizinho Senegal, que tem uma grande diáspora de guineenses que se opõe a Conde, a notícia de sua morte política foi recebida com alívio. No vizinho Senegal, que tem uma grande diáspora de guineenses que se opõe a Conde, a notícia de sua morte política foi recebida com alívio.

    "O presidente Alpha Conde merece ser deposto. Ele teimosamente tentou concorrer a um terceiro mandato quando não tinha o direito de fazê-lo", disse Malick Diallo, um jovem lojista guineense nos subúrbios de Dacar.

    "Sabemos que um golpe de estado não é bom", disse Mamadou Saliou Diallo, outro guineense que vive no Senegal. "Um presidente tem de ser eleito por voto democrático. Mas não temos escolha. Temos um presidente muito velho, que já não faz os guineenses sonharem e que não quer deixar o poder."

    A Guiné tem uma longa história de instabilidade política. Em 1984, Lansana Conte assumiu o controle do país depois que o primeiro líder pós-independência morreu. Ele permaneceu no poder por um quarto de século até sua morte em 2008, acusado de desviar os cofres do Estado para enriquecer sua família e amigos.

    O segundo golpe do país logo se seguiu, colocando o capitão do exército Moussa "Dadis" Camara no comando. Durante seu governo, as forças de segurança abriram fogo contra manifestantes em um estádio em Conakry que protestavam contra seus planos de concorrer à presidência. Grupos de direitos humanos disseram que mais de 150 pessoas foram mortas e pelo menos 100 mulheres foram estupradas. Camara mais tarde foi para o exílio após sobreviver a uma tentativa de assassinato, e um governo de transição organizou a eleição histórica de 2010 vencida por Conde.
    Fonte : https://www.cbsnews.com/news/guinea-coup-alpha-conde-president-removed-from-power-by-military/
    Conakry, Guiné - Soldados amotinados na Guiné, nação da África Ocidental, detiveram o presidente Alpha Conde no domingo, depois que horas de tiros pesados 鈥嬧媠oaram perto do palácio presidencial na capital, anunciando na televisão estatal que o governo havia sido dissolvido em um aparente golpe de Estado. As fronteiras do país foram fechadas e sua constituição foi declarada inválida no anúncio lido em voz alta na televisão estatal pelo coronel do exército Mamadi Doumbouya, que disse aos guineenses: “O dever de um soldado é salvar o país”. "Não vamos mais confiar a política a um homem. Vamos confiá-la ao povo", disse Doumbouya, envolto em uma bandeira guineense com cerca de meia dúzia de outros soldados flanqueando ao seu lado. Não se soube imediatamente, porém, quanto apoio Doumbouya tinha dentro das forças armadas ou se outros soldados leais ao presidente por mais de uma década poderiam tentar retomar o controle. A junta mais tarde anunciou planos para substituir os governadores da Guiné por comandantes regionais em um evento segunda-feira e advertiu: "Qualquer recusa em comparecer será considerada rebelião" contra os novos líderes militares do país. O bloco regional da África Ocidental conhecido como CEDEAO rapidamente condenou os acontecimentos, ameaçando com sanções se Conde não fosse imediatamente libertado. O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, tuitou que condenou veementemente "qualquer tomada do governo pela força de armas". O Departamento de Estado dos EUA alertou contra a violência e instou as autoridades na Guiné a evitar ações "extra-constitucionais" que "só irão corroer as perspectivas de paz, estabilidade e prosperidade da Guiné". O porta-voz Ned Price acrescentou em um comunicado que as "ações da junta podem limitar a capacidade dos Estados Unidos e de outros parceiros internacionais da Guiné de apoiar o país". O paradeiro de Conde era desconhecido por horas após os intensos combates de domingo no centro de Conakry, até que um vídeo apareceu mostrando o líder de 83 anos cansado e desgrenhado sob custódia militar. Posteriormente, a junta divulgou um comunicado dizendo que Conde estava em contato com seus médicos. Mas eles não deram nenhum prazo para liberá-lo, a não ser para dizer: "Tudo ficará bem. Quando chegar a hora, faremos uma declaração." Conde, no poder por mais de uma década, viu sua popularidade despencar desde que ele tentou um terceiro mandato no ano passado, dizendo que os limites de mandato não se aplicavam a ele. Os acontecimentos dramáticos de domingo ressaltaram como a dissidência também havia crescido dentro dos militares. Doumbouya, que fora comandante da unidade de forças especiais do exército, pediu a outros soldados "que se coloquem ao lado do povo" e permaneçam em seus quartéis. O coronel do Exército disse que estava agindo no melhor interesse da nação, citando a falta de progresso econômico dos líderes desde que o país se tornou independente da França em 1958. “Se você vê o estado de nossas estradas, se você vê o estado de nossos hospitais, você percebe que depois de 72 anos, é hora de acordar”, disse ele. "Temos que acordar." Observadores, no entanto, dizem que as tensões entre o presidente da Guiné e o coronel do exército resultaram de uma recente proposta de corte de alguns salários militares. Na manhã de domingo, um tiroteio pesado estourou perto do palácio presidencial e durou horas, gerando temores em um país que já viu vários golpes e tentativas de assassinato presidencial. O Ministério da Defesa inicialmente alegou que o ataque havia sido repelido pelas forças de segurança, mas a incerteza aumentou quando não houve nenhum sinal posterior do Conde na televisão ou rádio estatal. Os desenvolvimentos que se seguiram refletiram de perto outros golpes de estado militares na África Ocidental: O coronel do exército e seus colegas tomaram o controle das ondas aéreas, professando seu compromisso com os valores democráticos e anunciando seu nome: Comitê Nacional para Rally e Desenvolvimento. Foi um revés dramático para a Guiné, onde muitos esperavam que o país tivesse virado a página sobre a tomada de poder militar. A vitória de Conde nas eleições de 2010 - o primeiro voto democrático do país - era para ser um novo começo para um país que estava atolado por décadas de governo corrupto e autoritário e turbulência política. Nos anos que se seguiram, no entanto, os oponentes disseram que Conde também não conseguiu melhorar a vida dos guineenses, a maioria dos quais vive na pobreza, apesar das vastas riquezas minerais do país de bauxita e ouro. No ano após sua primeira eleição, ele sobreviveu por pouco a uma tentativa de assassinato após pistoleiros cercou sua casa durante a noite e bombardeou seu quarto com foguetes. Granadas propelidas por foguetes caíram dentro do complexo e um de seus guarda-costas foi morto. Manifestações de rua violentas estouraram no ano passado depois que o Conde organizou um referendo para modificar a constituição. A agitação se intensificou depois que ele ganhou as eleições de outubro, e a oposição disse que dezenas de pessoas morreram durante a crise. No vizinho Senegal, que tem uma grande diáspora de guineenses que se opõe a Conde, a notícia de sua morte política foi recebida com alívio. No vizinho Senegal, que tem uma grande diáspora de guineenses que se opõe a Conde, a notícia de sua morte política foi recebida com alívio. "O presidente Alpha Conde merece ser deposto. Ele teimosamente tentou concorrer a um terceiro mandato quando não tinha o direito de fazê-lo", disse Malick Diallo, um jovem lojista guineense nos subúrbios de Dacar. "Sabemos que um golpe de estado não é bom", disse Mamadou Saliou Diallo, outro guineense que vive no Senegal. "Um presidente tem de ser eleito por voto democrático. Mas não temos escolha. Temos um presidente muito velho, que já não faz os guineenses sonharem e que não quer deixar o poder." A Guiné tem uma longa história de instabilidade política. Em 1984, Lansana Conte assumiu o controle do país depois que o primeiro líder pós-independência morreu. Ele permaneceu no poder por um quarto de século até sua morte em 2008, acusado de desviar os cofres do Estado para enriquecer sua família e amigos. O segundo golpe do país logo se seguiu, colocando o capitão do exército Moussa "Dadis" Camara no comando. Durante seu governo, as forças de segurança abriram fogo contra manifestantes em um estádio em Conakry que protestavam contra seus planos de concorrer à presidência. Grupos de direitos humanos disseram que mais de 150 pessoas foram mortas e pelo menos 100 mulheres foram estupradas. Camara mais tarde foi para o exílio após sobreviver a uma tentativa de assassinato, e um governo de transição organizou a eleição histórica de 2010 vencida por Conde. Fonte : https://www.cbsnews.com/news/guinea-coup-alpha-conde-president-removed-from-power-by-military/
    11
    0 Comments 0 Shares
  • 10
    0 Comments 0 Shares
  • 10
    0 Comments 0 Shares
More Stories